| Associação Académica de Coimbra

No próximo dia 30 de maio realizar-se-ão as eleições para o Organismo Autónomo de Futebol (OAF). Durante as últimas semanas a Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC) reuniu várias vezes com os dois candidatos aproveitando assim para trazer à discussão as diversas temáticas que envolvem a casa-mãe e o OAF.

Como é do conhecimento geral nem sempre as relações entre o OAF e a DG/AAC, desde o regresso do futebol à casa-mãe, em 1984, foram saudáveis. Agora, em 2014, precisamente trinta anos após esse regresso, é altura de se edificarem novas e sólidas bases para uma relação de cooperação e de verdadeira proximidade entre as entidades. Neste sentido, a DG/AAC deu a conhecer a ambos os candidatos esta vontade de chegar a soluções e entendimentos sobre os problemas do presente, nomeadamente no que toca às dívidas provenientes do Bingo, do impasse no Futsal, na complexa rivalidade e divisão na formação e ainda a vontade de rever o protocolo entre a DG/AAC e o OAF para que possamos voltar a trazer estabilidade nas relações institucionais para que possamos construir a unidade que a Académica merece e voltar a erguer a verdadeira associação e clube dos estudantes.

Nas reuniões desenvolvidas, ambos os candidatos demonstraram a mesma vontade de resolver o problema das dívidas relativas ao Bingo da Académica. O pagamento desses valores ao Conselho Desportivo da AAC, mais do que justo, é imperativo e, nesse sentido, a DG/AAC estima que o compromisso assumido em período eleitoral seja posteriormente cumprido durante o mandato, seja quem for o vencedor.

Na questão que envolve o Futsal da Académica, a anterior DG/AAC tomou a decisão de receber a modalidade para que esta não fosse extinta, depois de se ter visto desamparada pela Direção do OAF. A ideia de que é necessário um compromisso conjunto, onde ambas as Direções trabalhem para uma solução que traga para o Futsal da Académica um futuro estável imperou.

A Direção-Geral da AAC defende convictamente que só uma solução de conjunto possa augurar um bom futuro e rejeita um caminho que passe apenas por uma decisão unilateral da DG/AAC que desresponsabilize o OAF das obrigações que entendemos também serem suas.

No que diz respeito ao protocolo, à cooperação e reaproximação da DG/AAC e dos estudantes do Organismo Autónomo de Futebol, foi deixado bem claro que estamos disponíveis para trabalhar numa verdadeira ligação da Academia. Isto só será uma realidade se ambas as partes estiverem verdadeiramente empenhadas tal como transpareceu nas reuniões mantidas ao longo deste período eleitoral.

 

 

A Direção-Geral da AAC deseja que, logo após o ato eleitoral, o novo presidente do Organismo Autónomo de Futebol abra portas para que possamos voltar a ter um Organismo Autónomo de Futebol de braços abertos para aquela que sempre foi a sua casa: os estudantes e a Associação Académica de Coimbra

Saudações Académicas,

Bruno Matias, Presidente da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra