| Associação Académica de Coimbra

Na sequência das últimas eleições para os corpos gerentes da Associação Académica de Coimbra (AAC), o candidato derrotado Samuel Vilela colocou em causa o resultado final e, após uma investigação por parte da Comissão Eleitoral que mostrou que o processo decorreu com normalidade, o sócio avançou para tribunal.

A Associação Académica de Coimbra confirma que hoje, dia 23, foi notificada pelo tribunal da entrada de uma providência cautelar por parte do sócio Samuel Vilela e, por isso, a tomada de posse dos novos corpos gerentes, marcada para a próxima quinta-feira, dia 30, está suspensa.

No entanto, a suspensão desta tomada de posse não significa que o tribunal tenha dado razão ao autor da queixa. A medida suspensiva não é uma decisão final, é apenas um procedimento previsto na lei (artigo 381/3 do Código de Processo Civil). Não houve até ao momento qualquer apreciação, nem do mérito da causa, nem da veracidade da petição apresentada e a AAC goza agora de dez dias para se pronunciar perante o tribunal, o que irá obviamente fazer.

Até ao momento, apenas foi dada a entrada do pedido de providência cautelar no tribunal. Esta providência tem por objetivo a suspensão da tomada de posse dos novos órgãos e com este efeito, prejudicam-se clara e em grande escala os interesses da AAC.

A AAC respeita obviamente o direito de opinião do sócio Samuel Vilela, mas reforça que até agora nenhuma razão lhe foi dada pelo tribunal ou órgão da AAC. A suspensão da tomada de posse não é mais que uma consequência prevista pela entrada da petição no tribunal.